segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Como alcançar suas metas em 2017

Marcelo Elias, Professor de Gestão de Pessoas da IBE-FGV
Marcelo Elias, Professor de Gestão de Pessoas da IBE-FGV


O ano de 2016 foi difícil para a maioria dos brasileiros. Sabemos que 2017 também será um ano de bastante trabalho para superar os desafios. Para alcançar os principais objetivos, por que não aproveitar este momento para planejar nossas ações? E para realizar seus projetos pessoais e profissionais em 2017, é importante seguir os 10 passos abaixo:
1. TENHA UM PROPÓSITO
Tudo começa com a definição clara do “por que” queremos realizar aquilo que desejamos. Escute sua voz interior e pense naquilo que realmente tem sentido para você e que contribui com a prática de seus valores. Visualize-se mentalmente alcançando seus objetivos. Isso ajuda muito!
2. ACREDITE
Acredite em seu potencial para realizar seus objetivos. Para isso, esqueça um pouco o passado e principalmente algumas crenças limitadoras que podem bloquear sua ação.
3. PESQUISE
Seja curioso e dedique tempo investigando mais sobre o assunto e sobre pessoas que realizaram os mesmos objetivos. Inspirar-se em bons exemplos pode contribuir bastante. Estude mais sobre os desafios, problemas e possíveis soluções, além de estudar mais sobre você mesmo, suas potencialidades e fraquezas. Capacite-se.
4. DEFINA AS METAS
Escreva suas metas de maneira bem específica e defina prazos para realizá-las. Sintetize-as para não perder o foco. Ter 3 metas é mais fácil de realizar do que ter 10. Depois, quebre-as em metas menores para facilitar o acompanhamento. Escreva “vou guardar 50 reais por semana” em vez de “Vou guardar dinheiro para trocar de carro no final do ano”.
5. PLANEJE SEU TEMPO
Organize-se para executar com excelência tudo aquilo que definiu. Para isso, defina as prioridades e tenha disciplina para não deixar as urgências afastarem você das coisas importantes. Seja realista e íntegro com seus propósitos.
6. AJA
Tenha iniciativa e coloque tudo em prática. Agora é a hora de começar a atuar em seu plano de ação. Caso algumas pessoas se posicionem como um impedimento, evite-as. As relações de apoio são essenciais nesta fase.
7. ENFRENTE OS DESAFIOS
Encare o medo com paciência e persistência. Busque ajuda com pessoas de valores e propósitos iguais aos seus e crie parcerias importantes. Coletivamente fica mais fácil de realizar os objetivos!
8. PERSISTA
Não se martirize por causa de alguma falha. Para manter-se firme na jornada, não perca o foco, mesmo que sofra um deslize. Se você escorregar, retorne imediatamente ao seu plano de ação. Se a sua motivação estiver vacilando, persista ainda assim. Visualize o seu futuro bem-sucedido e acredite!
9. ACOMPANHE
Defina indicadores para ter evidências de que está no caminho certo e acompanhe periodicamente. Assim, se algo sair fora do previsto, é mais fácil voltar para o rumo correto. Seja flexível se concluir que foi exigente demais consigo mesmo mas não afrouxe demais só para facilitar a realização.
10. COMEMORE
Não esqueça de celebrar as conquistas! Isso vai te dar mais força para os próximos desafios e objetivos. A recompensa é um grande impulsionador. Presenteie-se com algo especial, como uma pequena viagem, ao conseguir superar uma etapa. Celebre todos os sucessos.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Ser um franqueado é ser um empreendedor?


Por Diego Simioni

Antes de responder essa pergunta, te faço outra: para você, o que é empreender? Para o pai da administração moderna, Peter Drucker, empreender é criar algo totalmente novo. Já para mim, empreender é assumir riscos em uma atividade produtiva que gere prosperidade. Se você concorda com esse pensamento, posso te afirmar que sim, ser um franqueado é ser um empreendedor.

Agora, se você concorda com o Drucker, sinto lhe dizer, mas os tempos mudaram. Quando esse conceito foi criado, lá na década de 80, as coisas eram bem diferentes. Hoje, os negócios estão mais arriscados e, até mesmo, ser funcionário está mais arriscado! É extremamente difícil saber quando algo realmente novo é inventado. E mais, conceitos se misturam e criam novas ideias de negócio o tempo todo, tornado ainda mais difícil definir quem é ou não empreendedor de acordo com esse conceito.

Por isso mesmo, nesse artigo te apresento quais são minhas razões para considerar que ser franqueado é também ser empreendedor. Confira!

#1) É preciso gerenciar a incerteza minimizando os riscos: Isso mesmo! Por mais que muita gente pense que não há liberdade para agir depois de escolher uma franquia para investir, em vários momentos você deverá fazer escolhas importantes para o sucesso do seu negócio. A determinação do seu ponto comercial, por exemplo, é uma delas. Muitas vezes, justamente por estar investindo seu dinheiro em uma franquia, você terá que pesquisar quais as melhores opções de ponto disponível para instalar a sua loja. É claro que o franqueador vai te ajudar, até mesmo para não te deixar entrar em uma fria, caso aconteça, mas você terá que efetivamente colocar a mão na massa e participar desta decisão. E, até onde eu sei, isso é empreender.

#2) As crises continuarão existindo: mesmo se tratando de um investimento mais seguro do que outras opções no mercado, as franquias também podem passar por dificuldades. Segundo a Associação Brasileira do Franchising (ABF), só no ano passado, 4,4% do total de franquias em operação fecharam suas portas. Independente do tamanho da rede, seja ela pequena, média ou grande, o relato dos franqueadores é sempre o mesmo, suas melhores unidades são as dos franqueados mais empreendedores, os que se mostraram dispostos a aprender gerenciar o fluxo de caixa, liderar equipes, negociar com fornecedores e, em muitos casos, até mesmo abrir mais de uma franquia. Ao se envolverem com a gestão do negócio tornam-se mais aptos e ágeis para enfrentar possíveis adversidades importas pelo cenário econômico.

#3) Você poderá propor inovações para a rede: a história que franqueado não pode fazer nada já existe há algum tempo, mas não é bem assim. É claro que existem limites, inclusive são esses limites que fazem da franquia um negócio mais seguro do que empreender sozinho. Mas, apesar de ser função e obrigação do franqueador desenvolver continuamente o negócio, por você estar frente à operação, em contato direto com os clientes, entendendo suas necessidades e demandas, poderá utilizar sua veia empreendedora para contribuir com a evolução da rede. Não faltam bons cases por aí. Quer um exemplo famoso? Um dos primeiros franqueados da rede McDonalds, Jim Delligatti, inventou nada mais nada, nada menos do que o Big Mac!

Cabe ressaltar que não são todos os franqueados que desejam empreender, assim como nem todas as redes apreciam esse perfil de investidor. Por isso, é extremamente importante que, da mesma forma que você saiba claramente qual é o seu perfil, você também analise o posicionamento da franquia que você pretende investir. Só assim poderá encontrar algo que combine mais com você. Empreender não é para todo mundo mas, se for para você, não deixe passar essa oportunidade. É uma experiência extremamente gratificante.

Se você gostou desse artigo não deixe de conferir meu blog no FranquiAZ! Lá você irá encontrar tudo o que precisa saber para investir no mercado de franquias e muito mais. Não perca!

Diego Simioni é administrador de empresas e fundador do FranquiAZ consultoria especializada no segmento de franquias.





sábado, 15 de outubro de 2016

4 Dicas para arrasar no Inbound Marketing

Por Thiago Regis*

Sabemos que o mercado digital é sempre a grande aposta para empresas que querem planejar, agir e mensurar resultados, mas uma grande ferramenta tem ajudado muito na captação de novos leads altamente segmentados: o Inbound Marketing. Essa prática consiste em ganhar o interesse das pessoas por meio da geração de conteúdos altamente engajados e segmentados para um determinado tipo de público.
 As técnicas de Inbound Marketing consistem em quatro simples etapas: atrair, converter, fechar e encantar, que, no entanto, precisam ser bem planejadas e executadas. Para isso, vamos usar como exemplo uma empresa que presta consultoria no ramo de casamentos:
Como atrair clientes?
Nesta etapa é fundamental gerar conteúdos de qualidade que atraiam seu público-alvo. Após a geração destes conteúdos, é necessário divulgá-los de forma gratuita em blogs, grupos, redes sociais ou qualquer outro meio de comunicação que faça a captação desse público.

E-book (livros digitais), whitepapers  são boas alternativas para publicar um conteúdo falando sobre “10 dicas fundamentais para organizar o casamento dos sonhos”.

Como converter clientes?

Nesta etapa é necessário utilizar alguma forma de captação dos dados das pessoas interessadas no conteúdo com o chamado CTA, “Call to Action”, por meio de formulários, Chat Online, Landing Pages, entre outros. É possível ainda criar diversos conteúdos, com uma sequência de materiais que farão o “lead” ficar mais qualificado à medida que ele baixar os conteúdos disponíveis.
 Uma maneira eficiente é colocar no ar uma landing page no site ou blog com captação de dados como nome, telefone e e-mail.

Como fechar negócios com seus clientes?
Quanto maior for o caminho de consumo de conteúdos, maior será a oportunidade de transformá-lo em cliente.
E-mail Marketing, Contato via telefone, Whatsapp ou Skype são algumas das possibilidades de relacionamento com este Lead, ou seja, seu cliente direto. Todo o percurso que seu cliente em potencial seguir até este contato final é fundamental para que você tenha êxito em transformá-lo em cliente de fato. 

Como se relacionar com seus clientes?
Após a captação e entrega de seus produtos/serviços para este cliente, é fundamental manter um relacionamento para retenção, novas vendas ou até mesmo futuras indicações.
A dica é manter-se presente através de redes sociais, e-mail marketing, comunicação direta ou qualquer outro tipo de meio social, procurando entender as preferências desse consumidor e apresentando ofertas relevantes de acordo com suas necessidades.

*Thiago Regis é diretor de novos negócios da agência de marketing digital Pílula Criativa

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Empreendedorismo: como aumentar as chances de sucesso?


 

* Por Erik Penna


De alguns anos para cá, muitas pessoas estão colocando em prática um sonho antigo: empreender, ter o próprio negócio. Impulsionadas pelo desejo e aumento do desemprego, muitos abrem a própria empresa, mas a maioria fecha as portas em menos de dois anos. Por isso, é importante saber as oportunidades e desafios ao se lançar nesta área, para que as chances de sucesso sejam maiores que as de fracasso.

Empreender é materializar uma ideia, apostar num negócio, realizar sonhos. Aliás, abrir o próprio negócio está em terceiro lugar na lista dos grandes desejos dos brasileiros, perdendo apenas para quem quer comprar a casa própria e viajar pelo país.

O Brasil possui milhões de empreendedores e, recentemente, chegou à marca de 5 milhões somente de microempreendedores individuais. Dados da nova pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), feita no Brasil pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), revela que 30% dos brasileiros entre 18 e 64 anos lideram uma empresa ou estão envolvidos na criação de um negócio. Em dez anos, a taxa total de empreendedorismo no Brasil aumentou de 23% em 2004, para 34,5% em 2014.

Todos podem empreender, mas alguns requisitos são fundamentais para que o sonho não vire um pesadelo. Veja algumas dicas a seguir:

- Gostar do que vai fazer: lembre-se que a empresa será sua segunda família. Não pense exclusivamente no lado financeiro, afinal, o filósofo chinês Confúcio já disse: “Encontre um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida”.

- Plano de negócio: anote detalhadamente os objetivos do seu negócio e quais passos devem ser dados para que os resultados desejados sejam alcançados. Lembre-se que uma meta sem planejamento é mera intenção.

- Aprender com os erros do outros: busque informações do segmento que pretende empreender com especialistas das áreas e, se possível, com outros empresários do setor. Desta forma, você minimizará seus equívocos aprendendo não com os próprios erros, mas sim, com os dos outros.

- Recursos: uma das formas que a empresa tem para crescer é, à medida que ela for dando lucro, você conseguir reinvestir no próprio negócio. Se ao abrir a empresa e logo nos primeiros meses você precisar fazer muitas retiradas, o capital de giro pode minguar.

- Parcerias: faça parcerias com não concorrentes, desde a troca do banco de dados/mailing de um negócio parceiro até promover eventos para atrair clientes de um para outro negócio.

- Uso da tecnologia: utilize a tecnologia como grande aliada na busca de novos clientes, como o link patrocinado do google e facebook, por exemplo, e procure estar sempre conectado sobre as novidades do setor e do que vem fazendo a concorrência.

- Qualificação própria e da equipe: Jim Collins, autor de “Empresas feitas para Vencer” já escreveu: “O principal ativo das organizações não são as pessoas, são as pessoas CERTAS”. Portanto, seja muito assertivo ao contratar, motive e qualifique seus funcionários, pois eles devem ser seus primeiros clientes.

Saber e cuidar de tudo isso não é fácil, mas que bom que não é fácil, pois fácil qualquer um faz bem, se é difícil, aí sim só para os empreendedores eficientes e competentes.

* Erik Penna é especialista em vendas, consultor, palestrante e autor dos livros “A Divertida Arte de Vender” e “Motivação Nota 10”. Site: www.erikpenna.com.br


Gestão estratégica de RH e Compliance



* Alexandre Tavares

A complexidade e a multiplicação das questões trabalhistas no cenário empresarial torna evidente a necessidade de as empresas gerirem de forma estratégica e mais eficiente a área de Recursos Humanos.
Decorrência disso é a maior vigilância e a clara tendência de adoção de práticas corporativas pautadas na ética, na observância da Legislação Trabalhista e, principalmente, de práticas voltadas à melhoria no processo de Gestão de Pessoas.
Constatamos em nossas pesquisas e estudos que boa parte dos conflitos trabalhistas tem origem no desconhecimento ou em falhas na aplicação da legislação por parte do empregador e, também, do relacionamento entre colegas de trabalho nos diversos níveis da hierarquia empresarial. Contudo, parcela importante dos litígios decorre da inabilidade no trato de subordinados, que com frequência dá ensejo a pleitos de indenizações por danos morais.
De outra parte, do lado do empregador há fundadas dúvidas sobre como demitir um trabalhador por justa causa, no caso de falta grave, inclusive da prática de ato de corrupção, em voga desde a edição da Lei n° 12.846 de 1º de agosto de 2013 em vigor e que jogou luzes sobre imprescindível conduta ética nas relações de trabalho.
A lei anticorrupção estabelece normas para prevenção de conflitos de interesses públicos e privados, responsabilizando a empresa por fraudes ou atos de corrupção, mesmo que não tenha autorizado o ato ou que o ato não seja de conhecimento de seus dirigentes.
Por essa razão é recomendável a implantação de código interno de ética e de programa eficaz de Compliance Empresarial, perfilhado às melhores práticas de Gestão de Pessoas. Tais medidas impactarão positivamente no clima organizacional, pois a satisfação das pessoas por fazerem parte de um ambiente de trabalho ético e íntegro melhora sensivelmente.
Contudo, a existência de código de conduta ética não garante o sucesso efetivo do Programa de Compliance Empresarial. É, por isso, muito importante que os gestores estejam envolvidos no programa, para desenvolver e aprimorar a cultura em toda a organização, acompanhando e revisando constantemente as práticas adotadas na empresa.
Eventual conduta incompatível deve ser cuidadosamente apurada, evitando-se exposição indevida das pessoas envolvidas, mas com a adequada divulgação interna para evitar a repetição de atos ou fatos reprováveis. Sendo transparente, a empresa atrairá a confiança de seus colaboradores e gerará credibilidade para os sistemas de proteção.
Portanto, Compliance Empresarial ou Trabalhista não se dissocia da gestão eficiente dos Recursos Humanos, devendo estar no topo das prioridades dos gestores de todas as organizações.


* Alexandre Tarciso Tavares é consultor responsável pela consultoria empresarial trabalhista na empresa Pactum Consultoria Empresarial e sócio responsável pela consultoria e contencioso estratégico trabalhista empresarial da banca  Piazzeta, Boeira e Rasador Advocacia Empresarial em São Paulo. É titulado especialista em Direito e Processado Trabalho pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. É Advogado trabalhista empresarial há 15 anos com foco em  gestão estratégica de práticas trabalhistas e comportamentais.  É Articulista, Palestrante. Integrante do PNBE – Pensamento Nacional das Bases Empresariais. Membro efetivo da Comissão de Direito Material do Trabalho da OAB/SP.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Madalena Carvalho no 1º Workshop de Líderes e Empreendedores 4.0 de Indaiatuba e região



No dia 18 de agosto, a partir das 8h00, Madalena Carvalho realizará palestra no 1º Workshop de Líderes e Empreendedores 4.0, no Centro de Convenções Adil Bonachella em Indaiatuba-SP. O evento é gratuito.

Madalena Carvalho é uma das conferencistas mais requisitadas da atualidade e desperta profundas reflexões em seus expectadores. Possui diversos artigos publicados em mais de 160 websites e revistas especializadas. Madalena Carvalho é formada em Administração de Empresas e Pós-graduada em Recursos Humanos, pela Escola Superior de Administração de Negócios (ESAN/FEI-SP). Certificada pela Academia Brasileira de Cibernética em Integração Sistêmica. É Patologista clínica e atuou por mais de dez anos com jovens e seus familiares, através de trabalho voluntariado em instituição não governamental.

Madalena é autora de do livro - Amor Fundamental, Histórias e Fábulas para Treinamento e dos E-books Líderes 4.0 e Comportamentos. O líder 4.0 - A verdadeira revolução para profissionais de uma nova era - é mais um passo à frente da conceituada palestrante. Como sempre, antecipando as novas tendências, Madalena aborda no livro quais são os grandes desafios dos profissionais de uma era digital, dinâmica, imprevisível e veloz, com dicas para evoluirmos para uma nova pratica de liderança holística e objetiva. Inovação, Criatividade, Persistência, são palavras abordadas com outros substantivos que nos fazem refletir.

 

Serviço:
eVENTO:Workshop de Líderes e Empreendedores 4.0
Data: 18/08/2016
Local: Centro de Convenções Adil Bonachella em Indaiatuba-SP
Endereço: R. das Primaveras, 210 - Jardim Pompeia, Indaiatuba - SP, 13345-020,
Reservas: desenvolvimento@indaiatuba.sp.gov.br  ou pelo telefone (19) 3834-9360.

Reserve o seu e-book: Líderes 4.0 da palestrante Madalena Carvalho e concorra aos sorteios, cadastrando-se no: https://www.sympla.com.br/1-workshop-de-lideres-e-empreendedores-40__76100

terça-feira, 7 de julho de 2015

Contar histórias inspiradoras, habilidade essencial no exercício da liderança



* Amauri Nóbrega

Em tempos de mercado extremamente competitivo, os gestores e líderes têm papel fundamental para garantir a sobrevivência das organizações. Uma das estratégias para tal é o posicionamento de uma liderança autêntica, que gere identificação e motivação em sua equipe. Mas como conseguir isso? Acredito que um líder precisa saber contar histórias, tem que ser genuíno, com raízes fortes, ou seja, ter uma história motivadora para conseguir manter o seu time inspirado e focado em atingir o objetivo desenhado.

Saber contar histórias inspiradoras, que façam todos abraçarem uma causa, é uma habilidade essencial para quem ocupa um cargo de liderança ou deseja assumir esta posição. Um exercício que sugiro é colocar sua própria história no papel, ação que fará com que se aprimore a capacidade de contar uma história. Será uma excelente oportunidade de refletir sobre as diversas passagens e decisões da sua vida.

“Sem base, não existe construção.”

Contando sua própria história, será possível analisar suas raízes, onde estão seus valores e crenças. A história da sua vida é a base da sua liderança, logo, se não existe base, não existe construção. Notem que não existe uma árvore sem raiz, e, se existisse, ela não ficaria em pé por muito tempo.

Assim, proponho ao líder uma análise de toda a sua trajetória pessoal e profissional, listando as experiências que o fizeram chegar ao posto de liderança e como ele fez isso. Essa estruturação da história pessoal e profissional será de grande importância para diferenciar aqueles líderes que chegaram à posição por questão de poder e os que fizeram por mérito. Há os líderes que cresceram a partir do poder, que tiraram vantagens das pessoas menos poderosas para crescer ou que usaram as pessoas boas como trampolim. Este tipo de liderança não tem uma vida longa, além disso, uma pessoa que ocupa tal cargo sem contar com uma história, pode ocasionar até o declínio da empresa que o contratou.

Passível de imprevisibilidade como qualquer outra esfera da vida, os negócios são atingidos por diversas forças e o líder precisa perceber as mudanças para traçar uma nova rota. É nesse momento que ele deverá ser autêntico em seu discurso com o time para conseguir atingi-lo com o coração e fazer com que a equipe continue engajada, mesmo com os novos desafios e pressões, para seguir em frente rumo ao novo objetivo.

Amauri Nóbrega é consultor executivo, palestrante, coach, escritor, conselheiro e especialista em estratégia e finanças. Site: www.amaurinobrega.com.br